SEO ou search engine optimization se relaciona a toda série de ações utilizadas para melhorar o posicionamento de uma página de internet em meio aos resultados naturais de uma pesquisa feita em mecanismos de busca como Google ou Bing. Entre outras técnicas, a atividade envolve a otimização de páginas e a busca por links vindos de outros websites.

Freeimages.com/svilen001 O SEO engloba as ações utilizadas para melhorar o posicionamento de uma página de internet.

História do SEO

Em 1990, antes mesmo de Tim Berners-Lee ter colocado online o primeiro website, a internet já contava com uma grande quantidade de arquivos espalhados em seus servidores. Archie, o primeiro mecanismo de pesquisa da internet, resolveu a tarefa de encontrá-los por meio de sua database, que no princípio era alimentada manualmente por seus idealizadores e indexava mensalmente os endereços dos arquivos.

Archie foi uma ferramenta desenvolvida para encontrar arquivos de forma específica na internet, numa época em que a principal maneira de acessá-los era utilizando um cliente FTP (File Transfer Protocol). Mas, com o desenvolvimento dos novos protocolos de internet e o início de sua exploração comercial, em 1994, se tornou cada vez mais difícil classificar a informação.

Os primeiros mecanismos de pesquisa da internet dependiam dos próprios webmasters e quase todo o esforço para divulgar um site era realizado manualmente. Para indexar um site em algum desses mecanismos era necessário que o próprio webmaster efetuasse o cadastro do domínio e das URLs nos formulários eletrônicos. Só após esse processo os chamados crawlers eram enviados para vasculhar as páginas e indexá-las. O propósito de indexar páginas é permitir que a informação seja acessada rapidamente sem ter de armazená-la.

Crawlers são programas de computador concebidos para percorrer sites de linguagem HTML e executar certas tarefas no âmbito da internet, como reconhecer informações de conteúdo e de programação e seguir links que levam a outras páginas. Um dos principais objetivos desses programas é identificar palavras-chave (palavras, termos ou frases) em meio ao conteúdo. As palavras-chave são o principal critério de classificação adotado pelos mecanismos de pesquisa, de acordo com o número de vezes que se repetem e também pela localização delas nas páginas.

Mecanismos de pesquisa como Lycos, Altavista, Yahoo! e diversos outros surgiram a partir da segunda metade da década de 90 e a concorrência entre eles exigiu o aprimoramento dos algoritmos de classificação. Muitos deles passaram a se diferenciar por meio da adoção de critérios próprios para classificar páginas, resultando em uma grande variação de resultados de pesquisa de mecanismo para mecanismo.

Foi nessa mesma época que webmasters e publicitários se deram conta quanto à grande popularidade desses serviços em relação a outros sites. Muitos desses profissionais passaram então a estudar os algoritmos usados pelos mecanismos de pesquisa na tentativa de manipular os resultados e assegurar as primeiras posições para uma determinada palavra-chave. Estar entre os primeiros resultados significa retorno financeiro.

A frustração com resultados de pesquisa irrelevantes e com a lentidão fez com que muitos usuários passassem a recomendar os melhores serviços de busca da internet, tornando o Google líder de mercado. Criado em 1998, o Google se caracteriza por ser um serviço de busca de interface minimalista, que trouxe um novo critério de classificação baseado em popularidade de links para as páginas de internet, o PageRank. O sistema criado por Larry Page, um dos fundadores da empresa, se baseia no número de links que apontam para uma certa página para determinar sua popularidade, sob a premissa de que os links vindos de páginas mais qualificadas tem maior peso em relação às demais.

Desde então os mecanismos de pesquisa passaram a diversificar cada vez mais os critérios de classificação para trazer os melhores resultados de busca e combater práticas usadas para conquistar rapidamente as posições mais altas das buscas. Entre os critérios de maior influência podemos citar fatores ligados à autoridade de domínio, nome de domínio, idade do site, links vindos de outras páginas de internet, conteúdo, otimização das páginas, tempo de carregamento da página, taxa de rejeição, etc. A otimização de páginas pode envolver diversos fatores relacionadas à(s) palavra(s)-chave como, por exemplo, se a palavra-chave aparece no título da página, no primeiro parágrafo, bem como sua densidade, proximidade e proeminência em relação ao conteúdo.

Especula-se que o Google utilize em torno de 200 critérios de classificação, que podemos chamar de fatores de ranqueamento. A participação de mercado do Google nas pesquisas realizadas no mundo todo supera os 80%.

Fontes

Internet Innovation

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *