Na era do marketing de conteúdo, crescem cada vez mais as possibilidades para ampliar o poder de promoção, engajamento e conversão desta estratégia. Hoje, umas das ações que tem se destacado e se tornado bastante comum é o chamado Native Advertising, ou Publicidade Nativa.

Diferente dos anúncios tradicionais, no formato de banners, o native ad está inserido dentro do fluxo editorial, podendo ser um tweet promovido, uma postagem no blog ou post no Facebook. Nestes casos, o conteúdo é pago e identificado como “patrocinado”, mas está inserido no meio do site /rede social como se fosse mais uma postagem.

Flickr.com/Saad Faruque O native ad está inserido dentro do fluxo editorial, no conteúdo do site.

O conceito assemelha-se a um publieditorial, que também é um tipo de post pago usado por revistas, blogs e outros portais de comunicação para divulgar ou vender algum produto. Nestas estratégias, é fundamental que a experiência do usuário não seja interrompida, com um pop-up ou um vídeo comercial, por exemplo. O Native Ad deve estar inserido ‘naturalmente’ no conteúdo.

Por mais que seja uma publicação patrocinada, com intenções publicitárias, o teor “comercial” do conteúdo deve ser trabalhado de maneira sutil para que a estratégia seja eficiente. É importante criar um conteúdo interessante e relevante para o usuário e, principalmente, manter o perfil do seu site/canal. Caso o usuário se depare com um post que destoe do habitual, provavelmente não dará atenção. Isso não é bom para a credibilidade do canal ou do anunciante.

Hoje, 62% das empresa de mídia já oferecem programas de publicidade nativa e 66% das marcas utilizam este tipo de campanha, incluindo grandes companhias como a Dell, IBM e Starbucks. As formas mais populares são blogs com textos patrocinados (65%) e postagens no Facebook (56%).

A popularidade e a eficácia do native advertising devem-se ao fato de que a experiência é boa tanto para os consumidores, que não são “invadidos” pela publicidade durante a visualização do conteúdo, para anunciantes, que conseguem agregar valor e visibilidade à marca, e ainda aos gestores, que podem rentabilizar seus canais através das campanhas.

Foto: flickr / Saad Faruque

Internet Innovation

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *